Notícias

O dia a dia de quem zela pelo respeito e pela dignidade dos animais

Artigos de bem-estar animal
Publicado em 10 de Novembro de 2020

Diariamente, temos colaboradores que se dedicam em garantir o bem-estar dos animais dentro de nossas unidades industriais. Os cuidados vão desde a chegada, ambientação no curral, até o abate. Conversamos com o Supervisor de Bem-Estar Animal em Palmeiras de Goiás (GO), Pedro Henrique Gomes Costa, para conhecer um pouco da rotina de quem cuida dos animais.

Pedro é médico veterinário e trabalha na unidade há dois anos. Ele conta que sua rotina começa às 5h40, quando chega à planta e vai direto para o curral.

A visita ao curral:

“No curral, eu avalio as condições dos animais, sejam físicas, ambientais, ou se necessitam de um manejo específico. Além disso, verifico a disponibilidade de água, bem como se é necessário realizar alguma manutenção de estrutura no local”, explica.

O relacionamento e a sinergia com os outros colaboradores são fundamentais, segundo Pedro. Por isso, rotineiramente são reforçadas as boas práticas de Bem-Estar Animal com todos que atuam, direta ou indiretamente, com os animais.

O manejo na rampa de acesso ao abate:

A rotina segue com o check na rampa de acesso ao abate. No trajeto, é necessário avaliar se o manejador, colaborador responsável por conduzir os animais do curral ao abate, está realizando o trabalho com cuidado e com zelo. “Estamos sempre atentos se a retirada dos animais está sendo feita conforme as orientações, dividindo o lote em pequenos grupos. O objetivo é que sejam conduzidos com tranquilidade, evitando quedas ou escorregões, garantindo um tratamento digno, de acordo com as nossas boas práticas”, reforça.


A importância da higienização:
Ainda na rampa de acesso, Pedro conta que avalia o banho dos animais. De acordo com ele, é necessário garantir o que prevê a legislação e, ainda, nossa política de Bem-Estar Animal..

“No banho dos animais, verificamos a pressão do chuveiro, por exemplo, pois é necessário estar adequada e confortável para o animal. Medimos o tempo de banho e garantimos a conformidade da vazão da água. Ao final, avaliamos se o banho foi efetivo”, conta.

O cuidado no abate:
No abate, Pedro ressalta a importância de garantir que todos os procedimentos sejam realizados corretamente, seguindo à risca os indicadores de Bem-Estar Animal da Companhia.

“Por exemplo, temos que garantir a eficiência de atordoamento dos animais para que estejam completamente inconscientes e, assim, seguirmos com a sangria.”  

Desembarque seguro:
O trabalho para garantir o bem-estar dos animais também é feito com a chegada deles à unidade. Pedro diz que é preciso conferir as documentações, fazer o acompanhamento da integridade das estruturas dos caminhões, verificar se o procedimento de desembarque está sendo realizado de forma tranquila, sem gritos com os animais, ou o uso incorreto do bastão elétrico. Outra atividade é a avaliação das condições que os animais chegaram e a entrada segura no curral.

De olho na cadeia produtiva:
A rotina se estende ao longo da semana com treinamentos e trabalhos administrativos, com a avaliação dos indicadores de Bem-Estar Animal. É por meio deles que, segundo Pedro, é possível identificar a necessidade de visitar um fornecedor e observar de perto o manejo na propriedade.

“Com o apoio do time de Compra de Gado, agendamos a visita na propriedade. Sempre prezando pelo bom relacionamento, acompanhamos o manejo e identificamos oportunidades de melhorias. Assim, já treinamos os colaboradores da fazenda e tiramos dúvidas que possam surgir. O nosso objetivo é zelar pelo bem-estar dos animais em toda a cadeia produtiva”, finaliza.

Assim como Pedro, muitos outros colaboradores atuam para cumprirmos a nossa política de Bem-Estar Animal. Cada um em sua unidade, com a sua rotina, busca sinergia entre as áreas, zelando pelo cuidado, a dignidade e o respeito com os animais!