Frigorífico sustentável: eficiência e descarbonização na indústria de proteína animal - Minerva Foods | Criando conexões entre pessoas, alimentos e natureza.
Frigorífico sustentável: eficiência e descarbonização na indústria de proteína animal

Frigorífico sustentável: eficiência e descarbonização na indústria de proteína animal

21/06/2024

Compartilhar em:

Frigorífico sustentável: eficiência e descarbonização na indústria de proteína animal

O segundo dia da Arena TecnoCarne foi voltado para o ESG nos frigoríficos. No palco do congresso, representantes das gigantes Minerva Foods e JBS falaram sobre as ações de sustentabilidade das empresas em eficiência e descarbonização.

Na palestra “Futuro Sustentável – Estratégias inovadoras para minimizar desperdícios e maximizar eficiência na cadeia produtiva”, o Gerente Executivo Meio Ambiente Latam da Minerva Foods, José Barros, discorreu sobre o tema.

Líder em exportação de carne bovina na América do Sul, a companhia Minerva Foods tem um compromisso de sustentabilidade assinado com a ONU para que, até 2035, atinja a meta zero de emissões líquidas.

De acordo com as conformidades em relação ambiental, trabalhista e regularidade fiduciária. A subsidiária MyCarbon trata da comercialização de créditos de carbono, transformando cadeias produtivas.

O executivo apresentou três cases da Minerva Foods, sendo o primeiro deles referente à fertirrigação, na unidade Palmeiras de Goiás, onde tem aplicação de 7.500m3 de efluente tratados sobre uma área de 56 hectares de pastagens rotacionadas.

O segundo case refere-se ao Centro de Monitoramento Ambiental (CMA), onde é possível proporcionar o volume de captação de água de acordo com as vazões de consumo do frigorífico, acompanhar os parâmetros da água bruta e tratada, regular o consumo de químicos e acompanhar o volume dos reservatórios.

O último case apresentado é sobre reuso de água. “Esse reuso de água dentro da fábrica e polêmico na indústria de alimentos, já que essa água não será colocada em contato com o produto, sendo utilizada em áreas não nobres, como a área externa, caldeiras e currais, por exemplo”, explica o executivo, citando a Portaria GM – MS número 888 de 04 de maio de 2021.

Segundo ele, em 2022 foram 2.212 m³/dia saltando para 2.735 m³/dia em 2023 – um aumento de 23,6%. “Muito significativo, e um grande salto para a indústria de alimentos”, diz José Barros.

(…)

Fonte: Food Connection.