Como a MyCarbon foi de um TCC para a descarbonização da Minerva - Minerva Foods | Criando conexões entre pessoas, alimentos e natureza.
Como a MyCarbon foi de um TCC para a descarbonização da Minerva

Como a MyCarbon foi de um TCC para a descarbonização da Minerva

28/06/2024

Compartilhar em:

Como a MyCarbon foi de um TCC para a descarbonização da Minerva

No final de seu Advanced Management Program na Harvard Business School em 2022, o CFO do Minerva, Edison Ticle, precisava entregar um plano de negócios para o trabalho de conclusão de curso.

Na hora de definir o tema, ele se lembrou de uma discussão que tivera com o CEO Fernando Queiróz e o diretor de RI, João Sampaio: a possibilidade de criar uma empresa para aproveitar o momento de alta dos créditos de carbono – e ainda ajudar no processo de descarbonização do próprio Minerva, que quer ser carbono neutro até 2035.

Foi assim que nasceu a MyCarbon, a subsidiária do Minerva para originação e comercialização de créditos de carbono.

“O DNA do Minerva é de trading , de uma exportadora. Então fazia todo o sentido criar uma subsidiária que pudesse cuidar de toda a descarbonização do Minerva e do setor,” Ticle disse ao Brazil Journal

O objetivo da MyCarbon é desenvolver um setor que, além de pequeno, também sofre com a falta de credibilidade por conta do surgimento de múltiplas fraudes.

Até o momento, o Minerva já investiu R$ 25 milhões na companhia e outros US$ 10 milhões em projetos que retornarão em forma de créditos.

Uma das frentes que recebeu esse investimento foi o Programa Renove, criado pelo próprio Minerva para atuar na recuperação de terras e pastagens.

A MyCarbon vem atuando diretamente com os fornecedores do Minerva para educá-los no tratamento da terra – desde a necessidade de rotação de sementes, utilização de produtos mais eficientes até o cercamento das áreas degradadas.

“Mas vamos operar sempre em um modelo asset light . A ideia é não precisar comprar terras,” disse Ticle.

Para esse público, a empresa criou uma parceria com a Yara, uma das líderes globais de fertilizantes, que ajudará na consultoria no uso de adubos que ajudem a terra a absorver o carbono.

Mas a empresa vê como a maior oportunidade a recuperação das terras de plantações de grãos, e já fez parcerias com empresas como a SLC Agrícola e algumas tradings

Nas estimativas da MyCarbon, ambas ações devem gerar 3,3 milhões de toneladas de carbono nos próximos dez anos (300 mil na pecuária e 3 milhões em grãos). A primeira emissão deve acontecer já em 2026 – quando deve acontecer o breakeven

Além disso, a MyCarbon já entrou em leilões de crédito de carbono como trading. Em 2022, a empresa vendeu 250 mil toneladas de créditos para empresas sauditas por meio de um leilão realizado pelo Salic, o fundo soberano da Arábia Saudita – e um dos investidores do Minerva.

Para o ano que vem, a empresa planeja entrar em leilões por meio de parcerias com empresas como a Mombak para oferecer créditos de conservação de florestas e reflorestamento – um dos mais valorizados dentro do mercado.

A MyCarbon também quer aumentar o valor agregado dos produtos do Minerva.

A ideia, segundo Ticle, é vender carnes com crédito de carbono para o cliente.

“Quando o cliente compra a carne neutralizada, ele vai conseguir vender para o cliente que quer ou precisa desse crédito,” disse o executivo. “Desde um cliente mais responsável em um supermercado da Suíça até uma companhia aérea que tem metas ambiciosas de descarbonização.”

Para tocar todo o negócio, Ticle recrutou a bióloga Marta Giannichi como CEO da MyCarbon. A executiva chegou ao comando em março do ano passado, quando Ticle passou a chairman.

A executiva, que tem um PhD em ecologia pela Universidade de Leeds, ocupou o cargo de secretária da Amazônia e Serviços Ambientais do Ministério do Meio Ambiente durante o governo Bolsonaro.

A MyCarbon tem 20 funcionários e opera dentro do Minerva.

Segundo os executivos, apesar de ainda ser incipiente, a MyCarbon já tem sido procurada por fundos de investimento.

“Para acontecer isso, precisaríamos fazer um spinoff , mas em qualquer um dos cenários o Minerva vai continuar sendo o controlador,” disse Ticle.
Fonte: Brazil Journal.