Especialistas demonstram com dados vantagens dos sistemas integrados - Minerva Foods | Criando conexões entre pessoas, alimentos e natureza.
Especialistas demonstram com dados vantagens dos sistemas integrados

Especialistas demonstram com dados vantagens dos sistemas integrados

11/12/2023

Compartilhar em:

Especialistas demonstram com dados vantagens dos sistemas integrados

Na Fazenda canchim, os participantes conheceram os sistemas integrados

João Pedro Gasparello, 24 anos, pretende aumentar cinco vezes a área de integração na próxima safrinha da lavoura. Ele e o pai fazem a gestão da propriedade Lagoa Serena, localizada em Torrinha (SP), a 260 quilômetros da capital do estado. No ano passado, foram utilizados 40 hectares de terra para integração lavoura-pecuária (ILP). Os bons resultados, maior produtividade na lavoura e redução dos custos no confinamento, fizeram o jovem agropecuarista planejar a integração em 200 hectares. Para isso, Gasparello tem buscado informações a respeito do assunto.

Durante os dias 07 e 08 de dezembro, ele foi um dos cerca de 90 participantes do VIII Simpósio de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) do Estado de São Paulo. No evento, especialistas debateram Carne Baixo Carbono, mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE), manejo de pastagens, grãos, serviços agroflorestais, crédito de Carbono, entre outros temas atuais sobre sistemas integrados de produção.

O pesquisador Roberto Giolo de Almeida, da Embrapa Gado de Corte, apresentou dados de sistemas convencionais, intensificados e integrados.

Para ele, quando se trata de Carbono, a salvação da lavoura é a pecuária. No entanto, Giolo destacou, uma pecuária bem manejada. Sistemas com pastagens degradadas emitem, já modelos intensificados ou com integração de árvores e culturas agrícolas são mais eficientes, aumentam a produtividade, reduzem o ciclo de produção e mitigam GEE. Em um sistema convencional, com um animal por hectare (com ciclo de 36 meses), a emissão é de 151 quilos de CO2 equivalente por quilo de carne. Enquanto, em um sistema mais intensificado, com dois animais por hectare (ciclo de 30 meses), a emissão é de 24 quilos de CO2 equivalente por quilo de carne e, em sistemas integrados, também com dois animais por hectare (ciclo de 24 meses), a emissão é de 3 quilos de CO2 equivalente por quilo de carne. Ou seja, muito mais eficiente em relação à pegada de Carbono.

Para atingir a neutralidade de GEE, até 2035, a Minerva Foods trabalha com uma agenda focada na sustentabilidade. Segundo a coordenadora corporativa de Sustentabilidade, Fernanda Reis Cordeiro, a empresa pretende, até 2030, fazer o monitoramento de toda cadeia, desde a fazenda até a agroindústria.

Durante sua apresentação no simpósio, Fernanda apresentou o Renove, programa de engajamento e atuação colaborativa com fornecedores. Os três principais componentes do programa são capacitação, parcerias e finanças verdes, as quais possibilitam o acesso a pagamentos por serviços ambientais e ao mercado de carbono. Para ela, apenas calcular e compensar não é a solução do problema, mas também reduzir. Assim, no programa Renove, são realizados planos individualizados para cada fazenda, com práticas regenerativas e de baixa emissão de GEE, como manejo de dejetos, pastejo rotacionado, dieta bovina de qualidade, manejo de pastagem e implementação de sistemas integrados.

A Minerva Foods participa da Rede ILPF para ampliação de áreas integradas no país. Atualmente, são mais de 17 milhões de hectares desses modelos no Brasil. A meta da Rede é chegar a 35 milhões de hectares até 2030, de acordo com a coordenadora dos Projetos Integra MT e SP Agro, Andressa Cruz, da Associação Rede ILPF.

Um dos coordenadores do Simpósio, o pesquisador Alberto Bernardi, da Embrapa Pecuária Sudeste, salientou que os discursos dos especialistas convergiram, apresentando as vantagens da ILPF para o produtor e para a sustentabilidade da produção agropecuária do país, além do alto potencial para combater as mudanças climáticas.

Na sexta-feira, 08, os participantes conheceram na prática os modelos de ILPF com gado de corte e gado de leite na fazenda Canchim, sede da Embrapa Pecuária Sudeste.

O simpósio foi realizado pela Embrapa Pecuária Sudeste e Grupo de Estudos Luiz de Queiroz (GELQ – Esalq/USP), com apoio da Rede ILPF.

Fonte: Embrapa.